A Menina da Lanterna


A Festa Lanterna, assim como outros momentos que fazem parte do calendário escolar Waldorf, (a Páscoa, Festa da Primavera, o Dia de Micael e o Advento como preparo para o Natal) orienta as crianças vivenciarem o tempo dentro do grande ritmo das estações do ano.

A Festa da Lanterna, tradicional em alguns países da Europa é comemorada na época do inverno e nos traz um significado de recolhimento e interiorização.

A história da Menina da Lanterna nos fala do despertar da luz interior. Através de suas imagens podemos entender o quanto ela é adequada para o tempo acelerado no qual vivemos e que nos chama o tempo todo para o “mundo lá fora”.

O recolhimento que se manifesta nessa época nos aproxima de nossos conteúdos interiores. Este caminho é simbolizado nas Escolas Waldorf através da história da Menina da Lanterna que busca sua luz interior.

Todos nós passamos por momentos difíceis na vida, momentos em que nos sentimos desorientados e desconectados com a nossa força interior.

Este momento é simbolizado na história quando a menina tem a luz de sua lanterna apagada e por consequência precisa iniciar um caminho de auto desenvolvimento para reencontrá-la.

Em princípio ela encontra os animais que representam nossos instintos básicos e que precisam ser dominados. Todos eles negam-se a ajudá-la nesse momento, e ela adormece para um sonho. Nesse sonho recebe ajuda das estrelas que indicam o caminho a seguir.

Posteriormente ela se depara com três partes que formam o homem: o pensar, o querer, e o sentir; representados respectivamente pela fiandeira que tece o fio do pensamento; o sapateiro que com sua vontade e ação faz sapatos que nos mantém os pés no chão; e a criança da bola que experiência o mundo com seus sentimentos.

A menina da lanterna pede ajuda para a fiandeira, para o sapateiro e para a criança da bola, mas a ajuda é negada; a fiandeira e o sapateiro a acolhem mas deixam claro que o caminho que ela deve seguir é solitário, somente por meio de sua própria jornada ela pode conseguir aquilo que procura.

A menina cansada se entrega e adormece para um sono profundo. Durante o sono nos desligamos do mundo sensorial e nos reconectamos ao mundo espiritual. Ao acordar, de volta ao mundo físico-sensório ela percebe sua chama novamente acesa e põe-se novamente a caminho de casa. Na volta ilumina o caminho daqueles que precisam, compartilhando sua luz (sabedoria adquirida na jornada), num gesto de doação e amadurecimento do seu sentir, querer e pensar. Ao reencontrar os animais ela reconhece seus instintos e com a luz da sabedoria adquirida domina seu mundo interior.

As crianças vão se aproximando deste conteúdo inconscientemente ano após ano e esse conteúdo existencial verdadeiro fica impresso nas crianças e as acompanha ao longo da vida.

© 2017 ONG ALQUIMIA | Rua Carlos Pinto Alves, 349 – 04630-032 – Jardim Aeroporto - São Paulo | Site by AleB.